terça-feira, 14 de outubro de 2008

Caminhando A Arte

O período entre uma poesia e outra
dói
a diferença entre arte e vida
acaba

Não sei mais onde derrubei
meu eu
Andar com os bolsos furados
abre espaço para o acaso

2 comentários:

Emanuel Menim disse...

costure os bolsos.
ótima poesia! prefiro as curtas.

Leonardo disse...

Fantástio!
... e por acaso, estás ficando mais encorpado como o vinho que envelhece ;)