sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Jantar Ontológico

Meus olhos ardentes.

Cores invasoras

A fazer um “ver”

Que, finalmente

Não mais é meu


Minha alma se dissolveu

Tornou-se uma sopa

Sorvida solenemente

Por vários cérebros.


Percebo em meio a eles

Perdido, frenético

O meu

2 comentários:

sono disse...

da horíssima!

hugo loss disse...

Gostei disso